Ameba ‘comedora de cérebro’ já matou quase 200 pessoas no mundo

Especialistas indicam que a contaminação é mais comum em crianças e jovens que participam de atividades em rios, lagos e fontes termais

Recentemente, um homem americano de 29 anos faleceu em decorrência de uma infecção no cérebro causada por um micro-organismo raro, a Naegleria fowleri, conhecida como ameba “comedora de cérebro”. O caso chamou a atenção do mundo. Apesar de raro, o parasita é mortal: em todo o mundo, foram registrados cerca de 200 casos nos quais, a grande maioria dos pacientes, não apresentou resposta ao tratamento. Somente nos Estados Unidos, das 143 pessoas infectadas entre 1962 e 2017, apenas quatro sobreviveram, segundo informações do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC na sigla em inglês).

Publicidade:

De acordo com a rede americana CBS News, Fabrizio Stabile, a vítima de 29 anos, contraiu o parasita durante uma visita a um resort de surfe no centro do Texas. O estabelecimento está fechado até que os resultados dos testes para detecção da ameba sejam liberados.

No início do ano, um garoto argentino de 8 anos morreu uma semana depois de apresentar os sintomas iniciais da infecção pela N. fowleri. Na América do Sul, além da Argentina (com um caso), a Venezuela foi o único país a registrar casos da infecção (2) em humanos. No Brasil, é possível encontrar o parasita, mas até agora nenhum caso foi registrado em pessoas; em 2009, um bezerro morreu na Paraíba por causada da ameba.

Especialistas indicam que a infecção é mais comum em crianças e jovens, uma vez que estes grupos estão mais propensos a participarem de atividades em locais de risco.

Fonte: https://veja.abril.com.br/saude/ameba-comedora-de-cerebro-ja-matou-quase-200-pessoas-no-mundo/