Mais Médicos: 10 mil profissionais formados no exterior se inscreveram no programa

Prazo para brasileiros e estrangeiros que se formaram fora do país enviarem documentação no site terminou domingo (16). Eles devem escolher as cidades onde irão trabalhar apenas em janeiro.

Um total de 10.205 médicos brasileiros e estrangeiros, formados no exterior e sem diploma revalidado no Brasil, se inscreveram na segunda fase de seleção do programa Mais Médicos, informou o Ministério da Saúde nesta segunda (17). O prazo de inscrição de médicos sem registro brasileiro terminou no domingo (16).

A pasta não divulgou quantos dos formados no exterior são brasileiros e quantos de outras nacionalidades.

Os profissionais sem o Revalida ainda não escolheram o município onde devem atuar — o que só deve acontecer a partir da próxima semana. Segundo o cronograma divulgado pelo Ministério da Saúde (veja completo abaixo), os brasileiros formados no exterior devem optar pela cidade onde irão trabalhar nos dias 27 e 28 de dezembro. Já os estrangeiros formados no exterior devem escolher as cidades, entre as vagas que sobrarem, só nos dias 3 e 4 de janeiro de 2019.

Cronograma da segunda fase de seleção do Mais Médicos:

Até 16/12: Inscrição dos médicos brasileiros e estrangeiros formados no exterior. Com o fim do prazo, foram mais de 10 mil inscritos;
Até 18/12: Apresentação dos médicos com CRM brasileiro nos municípios;
19/12: Ministério faz balanço das vagas disponíveis, somando as desistências com as que não tiveram procura;
De 20/12 a 21/12: Médicos com CRM no Brasil escolhem municípios com vagas disponíveis;
De 27/12 a 28/12: Médicos brasileiros formados no exterior escolhem municípios com vagas disponíveis;
De 3/1 a 4/1/19: Médicos estrangeiros formados no exterior escolhem municípios com vagas disponíveis.
Primeira fase
O edital da primeira fase do Mais Médicos, divulgado em 20 de novembro, abriu 8.517 vagas para selecionar médicos brasileiros, com diploma brasileiro ou revalidado aqui, para substituir os profissionais cubanos. Os caribenhos começaram a sair do país depois que Cuba decidiu encerrar a participação no programa. Das vagas abertas na primeira fase, 8.411 foram preeenchidas — e a maioria das 106 que restaram ficou nos distritos indígenas.

De acordo com o último levantamento do Ministério da Saúde, até esta segunda-feira (17), cerca de 30% dos aprovados na primeira fase ainda não tinham se apresentado nos municípios onde devem trabalhar (2.476 dos 8.411).

Criado em 2013, durante o governo Dilma Rousseff, o Mais Médicos chegou a trazer para o Brasil cerca de 11 mil médicos cubanos, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Quando o país caribenho decidiu deixar o programa, no mês passado, eram 8,3 mil profissionais atuando aqui. De acordo com o Ministério da Saúde, 63 milhões de pessoas são atendidas pelo programa, com 1.100 municípios tendo 100% da atenção básica feita pelo Mais Médicos.

Fonte: G1